Vasos Sagrados
   
 
 

  Histórico

Categorias
Todas as mensagens
 Evento

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




 

 
 

Saudade...

De quando? De onde?

Sempre digo que não sinto saudade. Porque não lamento o que passou, nem o que perdi. Meu dia é hoje, me encontrando no  enunciado do sentimento do aqui e agora, com Paulinho da Viola, que, no entanto,  ostenta um olhar longíquo, que o denuncia...

Mas se me chega, de repente, alguma coisa de um tempo que vivi pela metade, percebo que sinto  imensa falta  de mim. 

Talvez saudade  seja isso. Uma pitada de arrependimento pelo momento não vivido, por aquilo que não integramos, ou talvez não esgotamos, distraídos que andávamos com o chamamento do  futuro almejado.

Revejo a foto e vejo que ficaram ali, cristalizadas, pessoas de que,  por muito tempo,  não lembrei. Por esquecimento ou por medo de sofrer?

Saudade cheira a passado. Evoca alguma coisa sentida, não obrigatoriamente vivida. Mas dói, profunda e irremediavelmente,  ainda quando é de mansinho  que corrói.

Há pessoas que me chegam, trazendo, no primeiro  encontro,  um sentimento de antanho...  Nenhuma surpresa, como se sempre tivessem estado ali, prontas para entrar:  saudade.

Há pessoas que me reaparecem, distantes e incógnitas, como se algo estivesse  perdido para sempre... Saudade.

Há momentos que se redesenham, sem nunca terem sido vividos de fato...  Desejo materializado em saudade .

Digo que não sinto saudade. E salto, destemida, para o amanhã, calcando fundo o que do hoje me esgota, sem olhar pra trás. Sigo sendo, assim, saudade, que não se presentifica.

Meu tempo é hoje, parafraseio sem titubear, para despistar  o desejo de olhar pra trás.

Vai que viro estátua de sal?

MIES 

07.09.2012




Escrito por Maria Inez do Espírito Santo às 21h33
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ ver mensagens anteriores ]